HTTP/1.0 200 OK Cache-Control: no-cache, private Date: Tue, 19 Oct 2021 12:52:24 GMT Blog
  • Seg a Sex: 08:00 a 18:00
  • Ave. Comandante Valodia 106, Maculusso. 917 753 834/930 703 362 | Condomínio Dolce Vita, Predio C2, Talatona. 948 771 755

Queda de cabelo: como prevenir e tratar

São muitos os pacientes que vêm ao nosso consultório dermatológico e perguntam quanto cabelo deveria cair durante o dia, para saber se a perda é preocupante ou não. Mas nem em todos os casos ver o cabelo cair é um prenúncio de calvície ou de uma doença. Na verdade, estima-se que uma pessoa saudável  perde todos os dias entre 50 e 100 fios de cabelo, o que é absolutamente normal. Porque?  É algo fisiológico. No couro cabeludo temos cabelos em diferentes fases: uns estão crescendo, outros estão estabilizados e outros têm que cair. 

Leia até o final para saber as causas da alopecia, como ela se classifica e as diferentes opções terapêuticas para seu tratamento.

O que é alopecia?

A alopecia define-se como a falta de crescimento de um cabelo que previamente existia, ocasionando a diminuição da densidade pilosa, o que se traduz clinicamente numa diminuição do número de cabelos por unidade de superfície. Portanto, não se deve confundir a queda normal do cabelo que pode ser de umas 100 unidades diárias, com a alopecia onde se observa uma perda da densidade de cabelos, seja em toda a superfície do couro cabeludo ou em alguma zona localizada.  Em caso de dúvida, é aconselhável consultar um dermatologista que pode confirmar a existência de alopecia e tratamento indicado em cada caso.

Tipos de alopecia

Clínica e evolutivamente podemos diferenciar dois grandes grupos de alopecia:

  • Alopecias cicatriciais: ocorre uma lesão permanente ou irreversível do folículo piloso. Há uma substituição do folículo piloso por tecido cicatricial, de modo que não será possível reverter a situação e fazer com que o cabelo volte a crescer.
  • Alopecias não cicatrizais: a alopecia é reversível se a causa cessar e, mesmo que ocorra a queda do cabelo, se o folículo permanecer viável podemos tratá-lo e obter bons resultados.

Dentro deste grupo as mais frequentes são a alopecia androgenética, a alopecia areata e o eflúvio telógeno.

·        A alopecia androgenética: é a mais frequente e estima-se que afecta 45% dos homens e 10% das mulheres da população geral. No paciente vamos encontrar uma diminuição progressiva da espessura dos folículos pilosos de algumas áreas do couro cabeludo com um padrão frontoparietal que conhecemos como a perda de cabelo, que é observado em "as entradas e a coroa" e que levará os folículos terminais a transformarem-se em peludos e finalmente a cair. Durante este processo, os ciclos foliculares vão-se tornando progressivamente mais curtos, com a consequente perda paulatina do cabelo.

Como tratar a alopecia?

Em função do grau, do tipo de alopecia e das expectativas do doente, o dermatologista deve recomendar o tratamento mais adequado a cada pessoa e pode incluir:

- Tratamentos tópicos para diminuir a queda e fortalecer o cabelo.

- Mesoterapia de cabelo.

- Plasma rico em plaquetas, PRP.

- Tratamento sistémico: incluindo fármacos, antioxidantes como a vitamina B6, B8 ou o ácido ascórbico, minerais como o zinco, ou o ferro, e aminoácidos como a cistina, taurina ou metionina.

- Fototerapia.

Se notar uma queda excessiva de cabelo, a primeira coisa a fazer é consultar um dermatologista. Esse especialista poderá identificar a causa, o tipo de alopecia e entender qual pode ser a melhor forma de tratamento, que pode incluir desde uma alimentação adaptada, até o uso de produtos específicos ou combinados para fortalecer os fios e frear a perda . Na Clínica Máxima recebemos muitos pacientes que sofrem de alopecia por tração. Sobre essa queda de cabelo adquirida devido ao puxão excessivo dos cabelos vamos dedicar outro blog.

Comentários

Não existem comentários

cmmaximaround_icon Publicar um coméntario